Header Ads

Exercício melhora condição física e memória de idosos






Muita gente corre a vida inteira e pensa que, quando a velhice chegar, será o momento de ficar sentado no sofá. Mas estudos indicam um outro caminho a seguir. O exercício físico para pessoas com mais de 60 anos, além de fazer bem para o corpo, ajuda a mente, melhorando a memória e o raciocínio.

Pacientes com mal de Alzheimer e Parkinson podem retardar o avanço da doença. Estudo realizado na Unifesp com 65 idosos - submetidos durante seis meses a um programa de musculação - apontou melhora sensível nas funções cognitivas, como memória, raciocínio, percepção e coordenação motora. "Alguns iam com lista ao supermercado e dispensaram o papel. Tamanha confiança de que iam lembrar", conta Ricardo Cassilhas, profissional de educação física que comandou a pesquisa. O humor dos voluntários também melhorou.

Só por sair de casa e conhecer pessoas, houve diminuição da depressão e ansiedade. Com o fim do estudo, a maioria tem intenção de continuar se exercitando. "Eles não queriam perder o que tinham ganhado." Antes de começar uma atividade física, muitas pessoas ficam reticentes. "Uns acham que não fizeram nada a vida toda e não vão começar depois de velhos. Outros se sentem excluídos de ambientes como academias", afirma Cassilhas. Não há restrição ao fato de ter sido sedentário, desde que tenha acompanhamento médico. "É animador. Se a gente conseguir modificar determinados hábitos, diminui o risco de doenças e melhora a qualidade de vida do idoso e da família", afirma Cássio Bottino, coordenador do Projeto Terceira Idade do Instituto de Psiquiatria do HC. Às vezes, os parentes acreditam que mantê-lo dentro de casa é o melhor. "Superproteção é algo que a gente combate. O familiar não deve fazer nada que o paciente é capaz." Pesquisas comprovam que a atividade física também é recomendada para quem tem Alzheimer ou Parkinson. "Se é um momento em que a memória está começando a declinar e a gente pode usar alguma coisa que a faça melhorar ou estabilizar, é um ganho", diz Cybelle Maria Costa Diniz, geriatra e diretora científica da Abraz (Associação Brasileira de Alzheimer). "Para o paciente com doença de Parkinson, o primeiro tratamento, às vezes até antes do remédio, é exercício físico." A atividade física representa um novo mundo para o idoso, no qual ele não precisa estar só. "Trabalho com a afetividade. A gente tenta se tornar um amigo dessa pessoa, não só um terapeuta que vai lá realizar movimentos", diz o professor de educação física Carlos Eduardo de Carvalho Afonso.

Por: Constança Tatsch


Você não pode perder:

Treinamento Funcional 200 Exercícios - Aprenda Montar Seu Treino
100 planos de aulas + 100 atividades de Educação Física Escolar
Drive Virtual de Educação Física

Tecnologia do Blogger.