Header Ads

Síndrome do trato iliotibial em corredores





Olá, eu sou a Dani e esse texto fala sobre Síndrome do trato iliotibial em corredores. Antes de começar a lê-lo, siga o blog nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter. Você também pode entrar nos grupos de Whatsapp ou no grupo do Telegram . Agora, vamos à leitura!




A banda ou trato iliotibial é uma faixa fibrosa densa de tecido que se origina da região da espinha ilíaca ântero-superior e se estende pela porção lateral da coxa até o joelho. Ela desce até uma proeminência óssea chamada tubérculo de Gerdy. Quando o joelho é estendido (esticado), o trato iliotibial é anterior a um ossinho na lateral de nosso joelho chamado de epicôndilo femoral lateral. Quando o joelho é fletido mais de 30º, a banda iliotibial passa a ser posterior ao côndilo femoral lateral. Sua principal função está estabilização da parte externa do joelho no momento em que estamos caminhando, correndo ou pedalando. Ela ajuda o joelho a não "desmontar" lateralmente durante o movimento. A isso, chamamos em ciência de momento em varo.

A inflamação da banda iliotibial é uma síndrome de uso excessivo que ocorre com mais frequência em corredores de longa distância, ciclistas e outros atletas que agacham repetidamente. Na verdade, ela ocorre como resultado de uma combinação de fatores, que podemos dividir em:

Intrinsecos: Do próprio indivíduo, incluindo fraqueza e má flexibilidade muscular, principalmente de um músculo do quadril denominado glúteo médio e outros desequilíbrios mecânicos no corpo, especialmente envolvendo dor lombar previa, pelve, quadris e joelhos, principalmente a falta de sincronismo entre o quadril e o joelho denominado valgo dinâmico.

Alterações anatômicas podem incluir diferenças nos comprimentos das pernas (dismetria), uma inclinação anormal na pélvis ou pernas arqueadas (geno varo) (figura 2). Essas situações podem fazer com que a banda iliotibial se torne excessivamente tensa, levando a um aumento de atrito e irritação quando a banda cruza o epicôndilo femoral para frente e para trás durante a atividade. Apesar de controverso, pessoas com a chamada pisada supinada diagnosticada através do exame de baro-podometria (teste de pisada) teriam mais predisposição à doença, principalmente entre corredores.

Extrínsecos: Que envolve o ambiente, incluindo erros de treinamento com intensidades e volumes inadequados. Situação muito comum em corredores de rua que treinam visando determinada prova.

Outro fator é o terreno. Estradas inclinadas ou com o centro da estrada mais alto do que as bordas externas, para permitir o escoamento da água, jogam nosso peso mais para lateral. Se um corredor sempre correr no mesmo lado da estrada, ele produzirá o mesmo efeito no corpo do que uma discrepância no comprimento das pernas. Uma perna estará sempre em declive em comparação com a outra, e a pelve tem que se inclinar para acomodar a atividade.

Correr muitas colinas também pode causar inflamação da banda iliotibial, principalmente em descidas por ser especialmente estressante para esta estrutura.

Quando falamos do ciclismo, quando se pedala em postura inadequada em sua bicicleta em "toe in" (jogando e rodando os joelhos para dentro) (figura 3), gera o mesmo efeito das pernas arqueadas em varo, aumentando o ângulo da banda iliotibial ao cruzar o joelho e aumentando o risco de inflamação.

Outras atividades com aumento da flexão do joelho podem causar sintomas e incluem remo e levantamento de peso, especialmente com o agachamento excessivo, comum em modalidades como o crossfit.

Você não pode perder:

Kettlebell, Macebell e Clubbell - Treinamento Funcional em Alto Nível
Planos de aulas e atividades para Educação Física Escolar
Educação Física em casa

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.