Header Ads

Flexão de tronco traz instabilidade para o Core?







Os elementos que compõem o CORE são a coluna lombar, os músculos da parede abdominal, os extensores de tronco, o quadrado lombar. E também, os músculos multiarticulados, psoas e o grande dorsal, uma vez que fazem conexões com pelve, pernas, ombros e braços.

A pergunta que fica e: os exercícios com flexão de tronco são ou não prejudiciais para o treino de CORE?

Segundo MC Gill, sim! McGill criticou os exercícios de flexão de tronco porque eles criam perturbações e instabilidade ao invés de auxiliarem na estabilidade. Segundo ele, perturbar as curvas fisiológicas da coluna vertebral torna a musculatura reativa prejudicando o controle motor. A consequência disto, é que estes exercícios serviriam para perpetuar dor e disfunção em pacientes com dores crônicas. Seguindo esta lógica, o uso da bola suíça para exercícios de flexão de tronco é um "tiro no pé" em indivíduos com dores, lesões ou instabilidades. E ainda, poderiam levar a terapia ou o treinamento ao insucesso. Para aplicar o treinamento adequado é necessário avaliar quais são as reais necessidades do indivíduo, uma vez que focar em performance ou ganho imediato pode levar todo o trabalho ao fracasso!

Portanto, é possível pensar no "CORE" de forma mais ampla, não apenas como estabilizador de tronco, uma vez que sua função vai muito além disso. Ele é um potencializador de força, controle motor e resistência no gesto. Suas conexões (tanto nos membros superiores quanto nos inferiores) permitem maior sinergia entre os músculos, as articulações e o tecido fascial, para equilibrar e estabilizar todo o corpo.

Para aumentar o seu conhecimento sobre o assunto, tenho uma boa dica. O curso de Biomecânica aplicada ao treinamento do CORE foi criado para o profissional de Educação física que trabalha com atividades como: musculação, treinamento funcional, pilates, crossfit entre outros esteja mais fundamentado nas explicações para seus alunos, dessa forma tendo mais possibilidade de ascensão profissional.

Referência:

Stuart McGill, Spine biomechanics departamento de Cinesiologia da universidade de waterloo, Ontario-Canada



Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Você não pode perder:

Entre nos grupos de WHATSAPP
Planos de aulas e atividades para Educação Física Escolar
Treinamento Funcional 200 Exercícios - Aprenda Montar Seu Treino

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.