Header Ads

Princípios da Psicomotricidade









Não é novidade que a função motora, o desenvolvimento intelectual e o desenvolvimento afetivo na criança estão intimamente relacionados. A psicomotricidade quer justamente destacar a relação existente entre a motricidade, a mente e a afetividade e facilitar a abordagem global da criança por meio de uma técnica.

Quando você ouve falar em Psicomotricidade, o que vem à sua mente? Para a maioria das pessoas, este termo está relacionado única e exclusivamente ao movimento do corpo. Mas a questão vai muito além. Desde a nossa concepção lidamos com movimentos corporais que, aliados às emoções e ações, amadurecem e projetam uma forte estrutura que influi diretamente no comportamento do indivíduo. Principalmente quando relacionada às ações propostas pela estimulação dos processos de aprendizagem na Educação Infantil, há a necessidade de os profissionais da área buscarem conhecimentos relevantes sobre o tema.

Os princípios básicos da Psicomotricidade estão relacionados aos elementos psicomotores. As denominações e terminologias utilizadas para cada elemento deste grupo podem ser diferenciadas em determinados lugares do mundo, porém, suas definições e conceitos são iguais. Para que você inicie seus estudos na área da Psicomotricidade, deve ter os conceitos e definições a seguir bem claros.

São 9 elementos psicomotores, os quais podem ser conhecidos a seguir:

Esquema corporal – Considerado o principal elemento relacionado à Psicomotricidade na Educação, o esquema corporal é caracterizado pelo conhecimento pré-consciente do indivíduo em relação ao seu próprio corpo, de modo que seja possível executar movimentos e lidar de forma madura com objetos e pessoas em seu entorno, bem como o espaço e ambiente. Para que o esquema corporal se desenvolva é necessário relacionar as informações proprioceptivas ou cinestésicas. Com o passar dos anos tais informações vão amadurecendo, se desenvolvendo e se moldando à estrutura corporal do ser humano.

Imagem corporal – A imagem corporal é o elemento necessário para a construção do esquema corporal. Ambos são dependentes. Trata-se da representação inconsciente que temos acerca do nosso próprio corpo. Tal representação é oriunda dos traços maternos e paternos, além de nosso desejo interno. Essa representação começa a tomar forma já a partir dos 6 meses de idade, fase em que os bebês já conhecem decifrar suas imagens refletidas em um espelho.

Tônus – O conceito de tônus muscular está diretamente ligado à fisiologia: quando em repouso, os músculos recebem uma tensão leve, proporcionando equilíbrio estático e dinâmico, coordenação e postura, independente da posição em que o indivíduo se encontra, sejam parados ou em amplo movimento.

Organização espaço-temporal – Para que haja um cenário de organização espaço-temporal, é indispensável que o indivíduo tenha noções básicas de espaço como perto, longe, em cima, embaixo, dentro, fora, ao lado de, antes e depois. Atividades que possibilitem o estímulo à estes elementos podem ser realizados. A organização espaço-temporal está atrelada à capacidade de movimentação e orientação num espaço e tempo dispostos.

Ritmo – O ritmo é caracterizado pela execução ordenada de um movimento, como por exemplo, pular corda ou dançar uma música seguindo uma sequência determinada de passos. Vale salientar que para que exista o ritmo é imprescindível a existência de organização espaço-temporal.
Coordenação global ou motricidade ampla – Na coordenação global ou motricidade ampla, há a utilização de diversos grupos musculares na execução de movimentos amplamente complexos e voluntários, sempre de forma simultânea. O principal exemplo deste elemento psicomotor é a ação de caminhar: para que haja o deslocamento do corpo, os músculos e membros inferiores e superiores movimentam-se através da coordenação motora ampla, de forma alternada.

Motricidade fina – A motricidade fina é definida pela capacidade do indivíduo em realizar pequenos movimentos coordenados, sendo que estes movimentos são executados utilizando os grupos musculares das extremidades. São os chamados movimentos de precisão. Podem exemplificar este elemento psicomotor as ações de bordar, costurar, escrever, cortar com o auxílio de uma tesoura ou digitar. Há de se saber que a motricidade fina é um dos elementos principais da Psicomotricidade que devem ser trabalhados com força nos primeiros anos de vida, com observância na Educação Infantil.

Lateralidade – A lateralidade pode ser observada facilmente ao longo do nosso dia a dia. Trata-se da capacidade do indivíduo em utilizar os dois lados do corpo para a execução de tarefas simples como abrir uma porta, por exemplo. Um indivíduo canhoto, quando está com sua mão ocupada, é capaz de abrir a porta utilizando a mão direita. Este elemento deve ser diferenciado da dominância lateral, que consiste em possuir mais habilidade em um dos lados do corpo, como acontece com a ação da escrita em pessoas destras e canhotas. Quem escreve com a mão direita, por exemplo, possui dominância cerebral direita.

Equilíbrio – É definida como equilíbrio a capacidade do indivíduo em manter-se firme sob uma base reduzida, parado ou em movimento, através de ações musculares específicas. O equilíbrio pode ser dinâmico ou estático; sendo o dinâmico caminhar sobre um trajeto estreito, como uma prancha, por exemplo, e o estático manter-se sentado em uma cadeira em uma mesma e correta posição.

Atividades de Psicomotricidade Infantil

Para incrementar o ensino do Psicomotricidade, é importante que o professor tenha boas atividades de Psicomotricidade para Educação Física para aplicação imediata. Aproveite a promoção, clique aqui e saiba mais!




Você não pode perder:

Entre nos grupos de WHATSAPP
Planos de aulas e atividades para Educação Física Escolar
Treinamento Funcional 200 Exercícios - Aprenda Montar Seu Treino

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.