Header Ads

Nutrição esportiva no idoso: aspectos fisiológicos e nutricionais









Com o evidente aumento da população idosa em todo o mundo, são crescentes as discussões relacionadas aos benefícios da interação entre atividade física, saúde e qualidade de vida no envelhecimento. É consenso definido que a prática de exercício físico é fator determinante para uma velhice saudável. De acordo com dados recentes da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (VIGITEL), a prevalência geral de inatividade física entre indivíduos com mais de 65 anos de idade é de 38,2%, sendo nos homens 40,6% e nas mulheres 36,5%.

Diversas alterações fisiológicas podem ser observadas durante o processo de envelhecimento, que inclui a menor percepção do paladar devido à perda progressiva do número de papilas gustativas e da secreção salivar; diminuição da sensibilidade olfatória; redução da percepção quanto à sede; menor capacidade de mastigação; redução da produção de enzimas e diminuição da eficiência do sistema imunológico.

Com relação aos aspectos nutricionais direcionados ao idoso fisicamente ativo, muito se tem discutido quanto às necessidades de macronutrientes e micronutrientes, embora ainda haja poucos dados na literatura. Sabe-se que o gasto energético total declina com o aumento da idade, o que resulta na diminuição das necessidades energéticas. Entretanto é fundamental que o consumo calórico seja adequado porque, em idosos fisicamente ativos, o equilíbrio entre a ingestão e o gasto energético contribui para o controle do peso corporal, além disso, diminui a sensação de fadiga e cansaço.

Assim como para todas as faixas etárias, o consumo adequado de proteínas é importante para a manutenção da massa e força muscular, que tendem a diminuir com a idade. Para idosos fisicamente ativos e saudáveis, recomenda-se que a ingestão diária de proteína seja de pelo menos 1g/kg de peso corporal. Os carboidratos fornecem energia necessária para a manutenção de todas as funções celulares. Quanto à atividade física, ainda, não existem recomendações estabelecidas deste macronutriente para idosos atletas ou fisicamente ativos. Já com relação aos lipídios, esses, também, são fundamentais para a prática esportiva, pois, além de serem fonte energética, fazem parte de diversas estruturas, como dos hormônios.

A ingestão adequada dos micronutrientes é essencial, com destaque para a riboflavina, que se apresenta deficiente em boa parte da população idosa. Uma de suas principais funções é a de coenzima de enzimas fundamentais no metabolismo muscular de geração de energia. Com relação ao cálcio, sua absorção tende a ser diminuída com a idade e sua suplementação pode ser necessária, especialmente para mulheres com maior risco de osteoporose.

Por fim, é de extrema importância que mais estudos sejam realizados na área de nutrição esportiva focalizada na área geriátrica, visto que ainda muitas informações são escassas. Além disso, salienta-se que a prática de exercício físico, além de melhorar a qualidade de vida, contribui de maneira importante para a manutenção da aptidão física e cognitiva do idoso, com isso, garantindo-lhe maior independência e prevenção contra doenças.

REFERÊNCIAS

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Vigitel Brasil 2014: Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. 152 p.

FERREIRA, M. T.; MATSUDO, S. M. M. In: PASCHOAL, V.; NAVES, A. Tratado de nutrição esportiva funcional. São Paulo: Roca, 2015. cap. 45. p. 685-708.

KENDRICK, Z. V.; SCAFIDI, K. M.; LOWENTHAL, D. T. Metabolic and nutritional considerations for exercising older adults. Compr Ther., Harvard, v. 20, n. 10, p. 558-568, 1994.

MACIEL, M. G. Atividade física e funcionalidade do idoso. Motriz: Rev. Educ. Fis. (Online), Rio Claro, v. 16, n. 4, p. 1024-1032, 2010.

MATSUDO, S. M.; MATSUDO, V. K. R.; BARROS NETO, T. L. Atividade física e envelhecimento: aspectos epidemiológicos. Rev Bras Med Esporte, Niterói, v. 7, n. 1, p. 1-13, 2001.

OLIVEIRA, A. C. et al. Qualidade de vida em idosos que praticam atividade física – uma revisão sistemática. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 301-312, 2010.

FONTE



Quer anunciar neste blog?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

Quer sugerir uma pauta?
Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

Você não pode perder:

Entre nos grupos de WHATSAPP
Planos de aulas e atividades para Educação Física Escolar
Treinamento Funcional 200 Exercícios - Aprenda Montar Seu Treino

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.