Novas
Loading...

Conheça 3 técnicas de treinamento esportivo dignas da ficção científica




 

Para obter sucesso no treinamento, é preciso superar os adversários em quesitos como técnica, performance, resistência e velocidade. Porém, nem sempre o simples treinamento é capaz de providenciar essas qualidades a um atleta, o que faz com que seja necessário apelar para métodos um tanto quanto bizarros.

O site Dvice reuniu três exemplos de técnicas que, se não vão contra o regulamento dos jogos esportivos, são bizarras o bastante para não parecer algo que uma pessoa normalmente estaria disposta a fazer.

Criogenia

Para melhorar seu desempenho, vários atletas recorrem a um método chamado crioterapia, onde são submetidos a temperaturas de até -140° Celsius. Para evitar que partes do corpo congelem durante o processo, as pessoas que se submetem ao tratamento usam meias, roupas de baixo e proteções de orelha construídas com materiais especiais.

 

Dois minutos de tratamento fazem com que as veias do corpo humano consigam se expandir até quatro vezes mais do que o normal, o que se traduz em uma circulação mais rápida do oxigênio. Isso faz com que a capacidade regenerativa do organismo aumente, e as endorfinas geradas pelo trauma de quase ser congelado fazem com que haja uma diminuição na sensação de dor que uma pessoa possa estar sentindo.

Cápsula espacial

Outra forma usada para aumentar o desempenho dos atletas olímpicos é uma cápsula conhecida como CVAC (Cyclic Variations in Adaptive Conditioning). O dispositivo, fruto de pesquisas na área das viagens espaciais, realiza diversas mudanças na pressão barométrica, temperatura e densidade do ar em seu interior em um ritmo constante definido por um computador.

 

O efeito que isso provoca no corpo é semelhante ao de uma sessão intensa de treinamentos em uma academia. Segundo os fabricantes do CVAC, além de aumentar a circulação sanguínea, o aparelho reduz a produção de ácido lático e é até mesmo capaz de estimular a biogênese mitocondrial e a produção de células-tronco. Para obter melhores resultados, é recomendado fazer ao menos três sessões de 20 minutos por semana.

Alterando o fluxo sanguíneo

Uma técnica conhecida como pré-condicionamento isquêmico remoto promete reduzir de forma substancial o tempo que uma pessoa leva para chegar a seu objetivo, algo especialmente útil para quem participa de competições de atletismo. Uma espécie de algema colocada nos braços e pernas dos atletas é inflada durante um período de cinco minutos, provocando mudanças na circulação sanguínea que reduzem a produção de ácido lático.

 

O método, que ainda está em estágio inicial de desenvolvimento, apresenta vários riscos. Entre eles está a possibilidade de danificar tecidos musculares de forma permanente devido à falta de oxigenação.

Porém, isso não impediu que membros das coligações britânica e canadense testassem a novidade, cujos resultados ainda permanecem um mistério. Caso esses países obtenham muitas medalhas de ouro, isso deve se refletir em uma maior divulgação desse método de treinamento ainda um tanto quanto bizarro.

Fonte: Dvice

Comente:

Espalhe no Google Plus

Sobre - Educação Físicaa

Professora de Educação Fisica, pós-graduada em Treinamento Desportivo e que tem atuação em Educação Fisica Escolar, Avaliação Fisica e Personal Trainer. Twitter: @educacaofisicaa
Postar um comentário