Header Ads

Liderança na Academia exige muito preparo do profissional de Educação Física







Há uma grande diferença em ser líder de uma academia e ser um chefe. O bom líder será o exemplo para os demais. "Os professores irão te olhar não como alguém que dá ordens, e sim como alguém que pode levá-los a outro patamar", explica Saturno de Souza, diretor técnico da Bio Ritmo Academia. Mas para conquistar essa liderança, há um caminho a ser percorrido. Já Sérgio Ribeiro, educador GFMi - curso de Gestão e Liderança para Ginástica Coletiva da Body Systems, acredita que a maior parte das pessoas tentam desenvolver resultados, controlando pessoas. Mas o bom líder deve entender que deve fazer o contrário, controlar os resultados, desenvolvendo pessoas. "Um bom professor de ginástica ou musculação, não necessariamente será um bom líder na academia", afirma Sérgio.

Gestão de Academia | Trajetória de um professor de ginástica a líder da academia

Mas para muitos o caminho acaba sendo este, de professor a liderança. "Sem estar preparado, o coordenador acaba trabalhando na forma de tentativa e erro e leva muito tempo para descobrir que existem outras ferramentas", explica Saturno. A graduação de Educação Física não prepara o profissional para cargos de liderança e o novo líder precisa buscar informações em cursos e na literatura. Saturno conta que a sua estante de livros hoje é totalmente diferente da época que era professor, com vários assuntos técnicos da área. Diferente daquele tempo, a leitura se transformou em conceitos de gestão e de administração.

Saturno conta que o novo líder passa a questionar porque algumas coisas não acontecem na velocidade que gostaria. Neste momento, ele percebe que é preciso buscar informação fora. "Ao puxar esse fio, descobre que ele é gigantesco e que há uma infinidade de informações". Ele ressalta que o profissional deve estudar e conhecer como analisar números para montar a estratégia. Os números são indicadores confiáveis para saber para onde ir. "Imagine você no meio do oceano, sem consultar uma bússola ou outro instrumento de navegação, há uma grande chance de levar o navio ao naufrágio", exemplifica.



Segundo Saturno, a fórmula é: sucesso = preparo + oportunidade. Se o profissional não estiver preparado, a chance de dar certo é muito pequena. "A oportunidade vai surgir quando o seu nome "pipocar" na cabeça de alguém. O que você tem feito para o seu nome ser lembrado?", questiona.

Despreparo e falta de atenção na liderança da academia

O profissional despreparado, que assume um cargo de liderança, comete uma série de erros que dificulta seu trabalho. Um dos principais erros é montar a "equipe dos seus sonhos". Saturno lembra que muitos líderes começam seu trabalho demitindo alguns professores e montando uma equipe de colaboradores que só dizem "amém". "Uma equipe eclética é mais difícil de administrar, mas é mais rica, pois os questionamentos vão trazer novos desafios", argumenta

Segundo Sérgio, os três fatores que mais interferem nos resultados de um líder são: falta de fé, falta de atenção e desalinhamento entre coerência e consistência. Os líderes devem acreditar no processo e nas pessoas. "Há um preconceito que todos nós temos e que é representado na frase é assim mesmo, ao invés disso temos que acreditar e pregar que pode ser diferente", observa Ribeiro. Além do próprio líder acreditar no processo, é preciso estender a crença aos colaboradores. Não adianta mandar os colaboradores fazerem tal coisa. É necessário mostrar o significado e a importância de tal ação ou implementação. Se for apenas uma ordem, o líder vai precisar fiscalizar para que seja feito. E ou será mal feito ou o colaborador fará apenas porque tem medo de perder o emprego. O colaborador precisa acreditar tanto quanto o líder para que possa se sentir parte do processo.


A falta de atenção do próprio líder será outro problema. "A organização deve ser metódica, detalhista e disciplinada", afirma Ribeiro. Um líder desorganizado deixa de antecipar problemas e obstáculos que poderiam ser resolvidos e o resultado fica comprometido. O líder precisa ser um exemplo e não só no presente. Quem compartilha o mesmo pensamento é Alberto Gonçalves, gerente da academia Fit Arena, de Maceió. "Tudo que ele vivenciou no passado como professor também precisa servir como exemplo", diz, acrescentando que "quando professor, o profissional construiu tudo o que ele hoje propõe a sua equipe", justifica.

Profissional de Educação Física se torna líder de academia

Samara Queiroz, gestora geral de uma das unidades da Runner, o novo líder deve entender que ele não faz mais parte da equipe de professores e o novo cargo requer posicionamento. "Você passa a ser o líder deles, e líder não é chefe, não é parceiro, não dá jeitinho, tem que motivar, tem que ser exemplo, tem que saber o que é melhor para o grupo e não para um", afirma. A gestora lembra que nem sempre o que o professor quer é o que pode ser feito. Samara acredita que o cargo de coordenação é o mais complicado dentro de uma organização, pois é o centro de tudo. Ele tem que liderar a equipe, mas ao mesmo tempo é liderado por um gestor e ainda é solicitado pelos alunos, ou seja, ele tem que agradar os alunos e gestores, mas ao mesmo tempo tem que ser justo com os professores.

O profissional que assume um cargo de coordenação deve lembrar que também há o ônus da função. Para Samara, a primeira preparação do profissional é saber se ele realmente quer assumir o cargo. Ela conta que já perdeu muitos profissionais que passaram para cargos de liderança imaginando que seria mais fácil que ministrar uma aula ou até mesmo pelo benefício de dar aulas de personal de graça. "Essa pessoa não quer ser líder, ela quer apenas os bônus do cargo sem imaginar o quanto tem de pressão, de responsabilidade, de doação pessoal", comenta.

Outra diferença entre o professor e o líder é a necessidade de se desligar do palco. Segundo Gonçalves o ego do professor é o tempo todo massageado pelos alunos, que elogiam as aulas e estão sempre em contato com o professor. "Se você gosta de estar no palco continue como professor", aconselha. O líder irá formar novas estrelas, mas ele estará sempre nos bastidores e precisa estar acostumado a ver o outro ser aplaudido.

Ribeiro finaliza dizendo que: "Se você quer ser um bom líder, é preciso servir para auxiliar o liderado e não apenas ser um líder cobrador". Samara Queiroz lembra que a liderança é um dom que você desperta. "O principal é entender que líder trabalha mais que os demais e com prazer, pois o líder serve a todos os outros", conclui.

www.educacaofisica.com.br


Fonte:Portal da Educação Física 18/4/2012

Você não pode perder:

Treinamento Funcional 200 Exercícios - Aprenda Montar Seu Treino
100 planos de aulas + 100 atividades de Educação Física Escolar
Drive Virtual de Educação Física

Tecnologia do Blogger.